Com cadeira de rodas emprestada, Jonas Licurgo vira no fim e é prata em Londres

O atletismo paralímpico brasileiro conquistou, na manhã deste sábado, a sua segunda medalha no Mundial de Londres. A prata obtida por Jonas Licurgo no lançamento de dardo F55 veio graças a uma ajuda do atleta grego Charalampos Varytimidis, que emprestou a sua cadeira de rodas ao brasileiro na rodada final. Jonas, que estava em sexto até então, conseguiu um lançamento de 29.05m, pulando para a segunda colocação na sua penúltima tentativa. O ouro ficou com o sérvio Milos Zariz, com 30.83m. Completou o pódio o egípcio Yasser Elsayed, com 28,63m.

– Minha cadeira estava com uma barra solta, o que prejudicou os meus arremessos da primeira rodada. Eu só precisava de uma chance, então pedi ao grego que ele me emprestasse a cadeira dele, uma vez que ele já estava eliminado. Ele conversou com os técnicos dele, com árbitros e eles autorizaram o empréstimo. Deu no que deu e agora estou aqui com a medalha de prata. Divido essa conquista com ele. Se puder, subo no pódio com esse colega, que mostrou ao mundo que ser adversário não é ser inimigo – disse Jonas, ainda emocionado na zona mista do Estádio Olímpico de Londres.

Cadeirante desde 2000, quando sofreu um acidente durante uma ocorrência policial, Jonas se divide entre o atletismo e o trabalho de fiscal de blitz da Lei Seca no Rio. Aos 47 anos, o militar reformado tem no currículo um ouro no lançamento de dardo dos Jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015. Na Rio 2016, o atleta acabou não conseguindo a classificação, uma vez que a sua principal prova não foi incluída no cronograma dos Jogos.

– Por tudo o que vivi aqui hoje, essa prata tem sabor de ouro. É a medalha mais importante da minha vida. Nunca foi tão sofrido, pior do que qualquer competição. Decido esse ouro à minha família, em especial à minha neta Maitê, filha da minha filha Layla. Dedico também a todos os policiais do Rio, essa galera sofrida que nunca me deixou de lado depois do acidente – destacou.

Jonas começou a prova com muitas dificuldades. Com problemas na cadeira de rodas, ele queimou a sua primeira tentativa e fez 25.99 no segundo lançamento, marca que o colocava na sexta colocação. Depois de queimar o terceiro e o quarto lançamentos, Licurgo conseguiu a marca da prata na quinta tentativa. Com os 29.05m obtidos, o carioca deixou para trás o egípcio Yasser Elsayed, o búlgaro Mustafa Yuseinov (27.73), o lituano Ramunas Verbavicius (27.43) e o também búlgaro Georgi Kiyakov (26.68). Todos os quatro não conseguiram a virada na rodada final para a alegria do brasileiro.

– Sempre tenho uma fe muito grande. Só pedi a Deus mais uma oportunidade. Só queria mais um lançamento e quando sentei na cadeira emprestada as coisas deram certo. É um momento muito especial na minha vida – afirmou Licurgo.

Ainda na manhã deste sábado, a santista Beth Gomes ficou na quinta colocação no arremesso de peso F55, com a marca de 6.83m. O título ficou com Diana Dadzite, da Letônia, com 8.01m, seguida pela colombiana Erica Salazar, com 7.52m, e pela mexicana Rosa Maria Cazares, com 7.45m.

Uma das principais estrelas do Mundial de Londres, o americano David Brown venceu a eliminatória dos 100m T11 com o tempo de 11,26s. A mesma prova contou com a participação do brasileiro Ricardo Costa, que ficou em terceiro com 11,60s e acabou eliminado.

Da Redação

você pode gostar também