Programa capacita produtores de leite

Uma parceria feita entre a Prefeitura de Birigui, o Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), o Sindicato Rural da Alta Noroeste (Siran) e a Cati (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) está mudando a realidade de vários produtores de Birigui. Desenvolvido pelo Senar, o Programa Pró-Leite está capacitando, gratuitamente, 18 produtores de leite do município. É a segunda capacitação do Pró-Leite que acontece em Birigui. A primeira ocorreu em 2016.

O objetivo é orientar sobre o sistema intensivo de produção de leite a pasto, para a melhoria da produtividade. “Teremos, até novembro, 18 módulos. As aulas começaram em fevereiro e os participantes já puderam aprender sobre planejamento, formação de canavial, manejo intensivo de pastagem, manejo de canavial, irrigação e pastagem de inverno”, explicou o médico veterinário e instrutor do Senar, Paulo Roberto Rodrigues Pinto.

Segundo o instrutor, no mês passado o grupo que participa da capacitação trabalhou o tema cana-de-açúcar na alimentação dos animais.

Entre os diferenciais do programa, os produtores estão recebendo aprendizado sobre o uso de aveia e azevém (aveia preta) como pastagem de inverno e a prática de pastejo de piquete rotacionados e irrigados.

Segundo o diretor do Departamento Municipal de Agricultura e Abastecimento, Fabio Moreno Martins, estamos vivendo uma época de estiagem e clima frio, onde as pastagens tropicais entram em dormência.

“Por isso foram apresentadas as pastagens de inverno, que são típicas da região sul, como alternativas, pois é nesse período que os produtores têm mais custos com a alimentação dos animais. O pastejo rotacionado e irrigado proporciona melhor aproveitamento do pasto, uma vez que as vacas comem cada dia em um piquete e com qualidade. Na propriedade rural onde estamos aplicando a capacitação temos 23 piquetes”, falou o diretor da Prefeitura de Birigui.

A unidade demonstrativa, onde as aulas ocorrem (toda segunda-feira e aos sábados), é o sítio São Paulo, no Bairro Pau Lavrado, em Birigui, do produtor Clóvis Vicentim Filho. Segundo ele, o programa do Senar mudou completamente sua visão sobre pecuária leiteira.

“Antes, a produção era de 80 a 90 litros de leite por dia. Após o programa eu cheguei a produzir 320 litros por dia. Agora, no inverno, a média tem sido de 220 litros. Entender sobre a alimentação de uma vaca foi fundamental, pois eu tinha animais de qualidade mas não atendia a necessidade alimentar deles”, disse o produtor.

A capacitação do Pró-Leite conta este ano com outra novidade. O curso recebe acompanhamento reprodutivo, utilizando um Ultrassom Veterinário adquirido este ano pela Prefeitura de Birigui.

De acordo com os organizadores do evento, os próximos módulos serão sobre sanidade, manejo e ordenha de qualidade, formação de pastagem, manejo de vacas e touros, manejo de pastagem, manejo reprodutivo, manejo de bezerros e novilhas.

 

Da redação

você pode gostar também