Michael Beale diz que não está “fugindo do Brasil” e explica demissão do São Paulo

Michael Beale, conceituado treinador de equipes de base na Inglaterra, com passagens por Liverpool e Chelsea, pediu demissão do cargo de auxiliar técnico do São Paulo na última sexta-feira, três dias antes de a diretoria decidir pela saída de Rogério Ceni.

Em entrevista ao podcast “MyPersonalFootballCoach”, reproduzida pelo site do Liverpool Echo, principal jornal de Liverpool, Beale explicou sua decisão.

Ele negou a versão de que estava saindo porque sua família não havia se adaptado ao Brasil e deixou em aberto a possibilidade de continuar trabalhando no país.

Veja abaixo o relato de Michael Beale:

– Eu tive uma experiência fantástica aqui no Brasil. Vir, aprender uma segunda língua, outra cultura, ser parte do maior clubes do país e trabalhar com estes jogadores é algo que eu guardarei com muito orgulho.

– O talento e a paixão pelo jogo aqui são incríveis. Minha habilidade no samba é horrível, mas no churrasco e no karaokê eu melhorei (risos).

– Não estou fugindo do Brasil. Tenho uma ou duas oportunidades para discutir termos de talvez ficar aqui. Não tenho pressa para sair do Brasil. Quero me despedir das pessoas e do clube da maneira correta.

– Acabei de entrar no meu sétimo mês aqui e o projeto (do São Paulo) mudou desde que eu aceitei deixar o Liverpool. O projeto era muito empolgante, algo no qual eu realmente acreditava. Mas, com o tempo, e por diversos motivos, ele mudou. Talvez ele estivesse indo numa direção na qual eu não acreditava 100%. É um clube fantástico, mas você tem de acreditar num projeto, e minha energia e foco estavam diminuindo. Eu quis ser honesto com todo mundo e não quis ficar por ficar num emprego que já não me satisfazia. Mas não houve nenhum tipo de animosidade.

– Minha esposa e dois filhos ficaram da metade de fevereiro até maio, mas nós tivemos um probleminha com a questão do visto. Eles tiveram de deixar o país depois de 90 dias e passar dois meses na Inglaterra para poderem voltar. É difícil quando seus filhos de três e cinco anos estão do outro lado do mundo por sete semanas. Mas minha família voltou pra cá agora e certamente isso não é um motivo para sair (do São Paulo). Somos muito felizes no Brasil. A vida é boa. Certamente não é um caso de falta de adaptação da família ao novo país, refuto isso veementemente.

Da Redação

você pode gostar também