Rotary de Lins e parceiros viabilizam tratamento de esgoto no meio rural

O esgoto sanitário, se disposto diretamente no meio ambiente sem o devido tratamento, é fonte de diversas enfermidades. A saúde humana é a primeira a ser atingida prejudicando o bem estar da pessoa e de toda família.

Frente a este cenário comum no Brasil, onde apenas 50% do esgoto é coletado e somente 20% destes são tratados, o Rotary International elencou como áreas de enfoque, entre outros, projetos que contemplem o tratamento e fornecimento de água potável, bem como o tratamento de esgotos sanitários.

Desta forma, o Rotary Club de Lins submeteu um Projeto Global no site do Matching Grants e conseguiu emparceiramento com o Rotary Club of Flower Mound, Texas – USA, bem como o respectivo Distrito, 5790. O Rotary Club de Lins – Norte e Rotary Club de Lins – Sul, juntamente com o Distrito local, 4480, também aderiram ao projeto, somando recursos da ordem de 39 mil dólares destinados a aquisição de fossas sépticas biodigestoras a serem instaladas em propriedades de agricultores familiares do município de Lins.

O foco do projeto é o de justamente evitar que o solo e água do lençol freático sejam e continuem sendo contaminados pelo esgoto sanitário doméstico produzido no meio rural, o qual é destinado nas “fossas negras”.

Desta forma, a saúde das famílias dos agricultores será preservada, bem como a qualidade da água utilizada para irrigação das plantações de alimentos produzidos nas unidades agrícolas, em especial, hortaliças, frutas, grãos, tubérculos e legumes, além das criações animais. Estes alimentos terão uma garantia comprovada de que serão produzidos em ambiente sadio e isento de contaminação. O tratamento do esgoto no meio rural, apesar de não ser ainda obrigatório por lei, é de extrema relevância e aderência econômico-social, pois lida diretamente com dois vieses do ser humano, sua saúde e o consumo de alimentos seguros.

Em função do valor do projeto, da capacidade de trabalho (litros) das fossas sépticas e do número de pessoas que residem nas casas, este projeto está atendendo cerca de 313 pessoas que residem nas 81 casas localizadas no meio rural de Lins, com a instalação de 69 fossas sépticas.

O projeto ainda prevê a realização de treinamento (Workshop) que aconteceu no dia 22 de junho de 2017, das 18:30 até às 22:00h, no Salão Nobre do Unisalesiano de Lins. O público presente (agricultores beneficiários) assistiu palestras sobre questões pertinentes ao projeto.

Docentes e alunos do curso de Engenharia Agronômica o Unisalesiano de Lins farão o acompanhamento da instalação, assim como orientações por meio de reuniões com o público beneficiário e monitoramento após a instalação.

Segundo o engenheiro agrônomo Hemerson Calgaro, os agricultores foram identificados com auxílio da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (CATI/EDR de Lins e Casas da Agricultura de Lins e Promissão), órgão que detêm informações socioeconômicas de famílias de agricultores familiares de Lins, além da contribuição no levantamento desses agricultores pelo Sindicato Rural de Lins. Outras entidades também figuram como apoiadores do projeto como a Associação de Produtores e Olericultores de Lins e Região – Apol, Ssabesp e Horto Florestal de Lins.

DA REDAÇÃO – Lins

você pode gostar também