Incorporação da Cobrac avança e será oficializada durante assembleia

No dia 4 de dezembro de 2015, durante as comemorações dos 50 anos de fundação da Cooperativa Agropecuária do Brasil Central (Cobrac), foi assinado um protocolo de intenções de incorporação. Pelo documento assinado, a Cobrac seria incorporada pela Coopercitrus. O processo caminhou e a última etapa está marcada para o dia 1º de setembro, em Bebedouro (sede da Coopercitrus), quando os cooperados das duas cooperativas irão aprovar a incorporação. A partir daí, a Cobrac deixa de existir oficialmente.

Segundo o presidente da Cobrac, Sérgio Gotardi Paoliello, há mais de 15 anos surgiram as primeiras conversas visando a incorporação. Porém, no momento, as duas cooperativas enfrentavam problemas. A Cobrac acumulava muitas dívidas. O tempo passou, mas jamais deixaram de falar sobre o assunto. Entre o final de 2012 e início de 2013, diretores das duas cooperativas voltaram a sentar parea discutir a questão e definir o modelo de fusão. O protocolo de intenções foi assinado em 2015. Nestes 18 meses, vários trabalhos foram desenvolvidos e as cooperativas constituíram comissões para tratar do assunto. Tudo foi aprovado, restando agora apenas a última assembleia geral, marcada para o dia 1º de setembro.

Atualmente a Cobrac tem 1,1 mil cooperados, mas aproximadamente 50% deste total faz negócios com a cooperativa. O patrimônio é da ordem de R$ 50 milhões. Já a Coopercitrus tem aproximadamente 26 mil cooperados e 50 unidades. O patrimônio estimado é de R$ 600 milhões. A cooperativa está com forte atuação em São Paulo e Minas Gerais e planos de expansão.

TRABALHO
Para antecipar a incorporação, a Coopercitrus já está gerindo e investindo em unidades da Cobra (Araçatuba e Andradina), por meio e arrendamento das estruturas. Até mesmo o quadro de pessoal já foi incorporado. “Rescindimos o contrato e indenizamos aproximadamente 80% do quatro de pessoal. Quase todos foram readmitidos pela Coopercitrus”, disse Paulielo, explicando a cooperativa já comprou uma nova balança para a unideade de Araçatuba e está investindo na recuperação dos silos de Andradina.

A capacidade de armazenagem de Araçatuba é de 26 mil toneladas de grãos. Em Andradina, são 16 mil toneladas. A capacidade deve ser ampliada, pois a meta é estimular a produção regional.

Segundo Paoliello, a produção da unidade de Araçatuba já amentou, pois a Coopercitrus está levando o sal e a ração para comercialização em suas unidades. “Estas unidades de produção devem ser ampliadas”, acrescentou.

Paoliello evitou falar sobre projeção futura, mas disse que a tendência é a Coopercitrus concentrar todas as ações no parque industrial (próximo ao trevo das rodovias Marechal Rondon e Elyeser Montenero Magalhães), onde há uma área de 96 mil metros quadrados.

Os novos gestores vão decidir o que fazer com o Centro Comercial Cobrac, no centro da cidade. “Há o compromisso de todo ativo que for desmobilizado em Araçatuba será investido na própria unidade”, disse Paolielo, confiante de que esse foi o melhor caminho para os cooperados.

Antônio Crispim

 

você pode gostar também