Secretaria distribui mudas de árvores à população

O prefeito Cristiano Salmeirão e o secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentado, Juliano Salomão, prestigiaram na manhã do último sábado (10 ) a ação de distribuição gratuita de mudas de árvores para calçadas.
A atividade fez parte da Semana do Meio Ambiente e foi promovida pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentado em parceria com a AGA (Associação do Grupamento Ambientalista) de Birigui. A doação das mudas ocorreu das 9 às 12 horas, na praça James Mellor, s/n.º (Paço Municipal).

“Diversas são as vantagens de se ter uma cidade arborizada. As árvores atenuam o calor do sol; absorvem ruídos; renovam o oxigênio do ar; filtram as partículas sólidas em suspensão provenientes de agentes poluidores; contribuem para reduzir o efeito das enchentes”, comentou o prefeito Cristiano Salmeirão, que fez a entrega da primeira muda doada neste sábado.

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, além de estabilizar a temperatura ambiente, evitando os efeitos da insolação nas horas mais quentes do dia, estudos científicos demonstram que bairros arborizados apresentam temperaturas cerca de 4°C inferiores àquelas das áreas edificadas não arborizadas.

“As árvores desempenham um papel muito importante na melhoria da qualidade de vida da população e do meio ambiente, como bem-estar psicológico, efeito estético, sombra para os pedestres e veículos, proteção contra o vento, diminuição da poluição sonora, redução do impacto da água de chuva, auxílio na diminuição da temperatura e preservação da fauna silvestre”, falou o secretário Juliano Salomão.

Segundo o diretor de Desenvolvimento Sustentável e Educação Ambiental da Prefeitura de Birigui, Jefferson Rabal, a Secretaria de Meio Ambiente ofereceu as mudas das espécies oiti, jacarandá-mimoso, ipê-branco, aroeira-pimenteira, pata-de-vaca e resedá-gigante. “Estas espécies são apropriadas para o plantio nas calçadas por terem o porte adequado para área urbana e não prejudicarem a acessibilidade”, explicou Rabal.

A ONG AGA Brasil esteve com uma equipe orientando sobre o plantio correto, manutenção para o desenvolvimento da planta e as podas permitidas no município.

Da Redação

você pode gostar também