Prefeitura anuncia revitalização do Parque Ecológico Baguaçu

O Parque Ecológico Baguaçu – PEBA contou, mais uma vez, com a colaboração de voluntários para retirada lixo das margens do ribeirão que corta a principal área verde de Araçatuba. A atividade, promovida pela Prefeitura Municipal, aconteceu na manhã de sábado (10) e encerra a programação da Semana do Meio Ambiente. O Grupo de Escoteiros Dom Bosco teve participação maciça, além de servidores da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Polícia Militar e representantes da Samar. A limpeza do Baguaçu acontece desde 2009, ano em que foram retiradas duas toneladas de lixo do local. A quantidade se repetiu em 2010 e, a partir de 2011, caiu para menos de uma tonelada por ano.
Presente no evento, o prefeito Dilador participou do mutirão e falou sobre os projetos do município para o local e para a Pedreira, área em frente ao PEBA que também margeia a Avenida Waldir Felizola de Moraes. “Primeiramente nós vamos fazer a revitalização aqui do PEBA utilizando uma verba que estava perdida e que nós resgatamos. Vamos recuperar a sede, fazer uma área de educação ambiental, sanitários, que são muito precários, e implantar acessibilidade”, disse. De acordo com o prefeito, serão R$ 300 mil investidos, recurso perdido pela administração anterior por descumprimento de prazo.
De acordo com o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Petrônio Pereira Lima, a Prefeitura aguarda a liberação do recurso pela Caixa Econômica Federal para dar início à recuperação da sede do PEBA. Dilador falou também sobre a intenção de utilizar a área da Pedreira. “Essa área da cidade é muito bonita e queremos fazer aqui um teatro de arena para dar mais vida ao lugar, ampliar sua beleza”, disse.

EROSÃO
Lima destacou que há um problema de erosão prejudicando o PEBA e que esta será uma das primeiras coisas a serem resolvidas no local. De acordo com o secretário, o que está causando o dano ambiental é o escoamento da água da rotatória da rua Baguaçu com a Avenida Joaquim Pompeu de Toledo para dentro do parque, feita por galerias que não chegam até o córrego Machadinho, que passa ao lado e desemboca no Baguaçu. “Quando fizeram as galerias da rotatória da Baguaçu com a Pompeu, desviaram a água da rua para uma área do parque e isso está fazendo essa erosão. Nós vamos fazer a coleta dessa água com uma tubulação que a leve ao rio para que ela não corra mais pela terra”, explicou. As galerias foram implantadas no início de 2012 durante o trabalho de recuperação asfáltica que estava sendo realizado na Baguaçu e Pompeu de Toledo. A obra foi feita pelo antigo DAEA.

MAIS NOVIDADE
Além de recuperar a sede e resolver o problema de erosão, a Prefeitura irá construir no PEBA um observatório que permitirá aos visitantes admirarem a natureza de um ponto de vista diferente. “Queremos colocar as pessoas acima das copas das árvores”, disse o secretário Petrônio. “Foi uma demanda que chegou até nós e achamos muito boa, pois aqui tem uma fauna interessante, muita gente vem tirar foto e pede um ponto de observação mais alto. Então vamos construir esse mirante na altura das copas das árvores e será de madeira de eucalipto, algo rústico que não interfira em nada no ambiente”, explicou.
HISTÓRIA
O PEBA foi criado em 1989. À época era uma área degrada e poluída, desmatada e praticamente sem árvores, utilizada como depósito de barris de sebo provenientes de um matadouro que havia próximo ao local. A arquiteta Selma Rico, que é servidora municipal, atuou na transformação deste espaço com outros voluntários e conta como era. “Quando começamos não existia nada do que se vê hoje. Muita gente pensa que se trata de uma mata nativa, mas não é. Tinha um pé de limão e um poste, só isso. Plantamos mais de duas mil mudas e hoje há cerca de 190 espécies de plantas e animais”, recorda a arquiteta.
O desenhista projetista Waldomiro Leal Júnior, servidor municipal e diretor-presidente do Grupo de Escoteiros Dom Bosco, foi um dos voluntários no trabalho de transformação da antiga área degradada em parque. Desde então, ele participa com as crianças e jovens do grupo em atividades no local. “Todos os anos nós buscamos colaborar com atividades ambientais e não só aqui no parque, mas em outros locais também. Cada vez que você vem é diferente, uma experiência nova”, disse.

FERNANDO VERGA – ARAÇATUBA

você pode gostar também