Polícia esclarece assassinado de usuário de drogas

A Polícia Civil de Andradina identificou uma moradora de rua como autora da agressão que pode ter causado a morte de um dependente químico, na madrugada de sexta-feira (2), em um bairro próximo ao terminal de ônibus da cidade. Angélica da Silva Carvalho, de 26 anos, foi identificada por uma testemunha e confessado o crime, segundo o delegado Tadeu Aparecido Coelho, da DIG (Delegacia de Investigações Gerais).
Segundo apurado pela polícia em um inquérito que investiga o caso como tentativa de homicídio, Angélica teria revidado a uma agressão, quando José Roberto da Silva, de 41 anos, a teria atacado com um pedaço de madeira para exigir drogas.

No revide, José Roberto, conhecido por Betão, sofreu um ferimento na axila esquerda, apontada por médicos como possível causa da morte. Ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado ao pronto-socorro, mas morreu no meio da tarde do mesmo dia, após ser operado na Santa Casa da cidade.

Em depoimento, Angélica teria admitido o revide e apresentou a faca usada no crime. “É uma faca pequena, com pouco mais de 15 centímetros, mas pontiaguda e com corte afiado”, disse o delegado ao apresentar a arma que foi apreendida.

Também à polícia, Angélica admitiu que é usuária de álcool e de drogas, e que sofre de uma doença psiquiátrica. Ela contou que é habituada a andar com a arma na bolsa e que somente revidou ao ataque para não sofrer mais agressões. Testemunhas contaram que Betão “estava muito alterado” na madrugada e que teria invadido uma casa, horas antes, para conseguir drogas. Angélica foi liberada após o depoimento e vai responder ao inquérito em liberdade.

VALDECIR CREMON – Andradina

delegado 1 e 2 – Divulgação/Polícia Civil

CONFESSOU – Angélica – suspeita pelo crime – conversa com o delegado Tadeu Coelho, na DIG

você pode gostar também