Programa municipal livrou 255 pessoas do vício do cigarro

O Programa de Atenção Intensiva ao Tabagista da Secretaria de Saúde de Araçatuba já livrou, desde o início de suas atividades em junho de 2012, 255 pessoas do vício do cigarro. Foram 664 pessoas participantes até o momento, mas nem todos chegaram ao fim do tratamento e muitos que chegaram, não conseguiram largar. Diante disso, o número é uma vitória para o programa, pois representa 54% das 471 pessoas que concluíram o tratamento oferecido pela Prefeitura.

Nesta semana em que as atenções voltaram para o assunto por conta do Dia Mundial sem Tabaco, lembrado em 31 de maio, a Organização Mundial de Saúde (OMS) adotou como tema a ameaça que o tabagismo traz ao desenvolvimento. A proposta consiste em um apelo aos países-membros da instituição para que implemente medidas consistentes de controle do tabaco, como a proibição total de marketing e publicidade, adoção de embalagens simples para os produtos e o aumento de impostos especiais voltados para o setor.

O consumo do tabaco mata mais de 7 milhões de pessoas todos os anos no mundo, de acordo com dados da OMS, e custa às famílias e aos governos mais de 1,4 trilhão de dólares por conta de despesas com saúde e perda de produtividade. No Brasil, dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) indicam que, em 2011, foram gastos R$ 23 bilhões com o tratamento de algumas das mais de 50 doenças relacionadas ao tabaco. A arrecadação com impostos sobre cigarros no mesmo ano foi de R$ 6 bilhões.

TRATAMENTO
O Programa de Atenção Intensiva ao Tabagista é ligado ao Ambulatório de Saúde Mental. Para participar basta entrar em contato e fornecer nome e telefone. Como a demanda é grande, a equipe agendará um retorno. Cerca de 100 pessoas aguardam na lista de espera para participar, o que costuma demorar até 6 meses. Ele consiste em uma entrevista individual e participação em quatro sessões de grupo de 10 a 15 pessoas, uma vez por semana. São realizadas consultas médicas durante o tratamento e após as quatro reuniões os participantes são agendados para a manutenção, que ocorre uma vez por mês durante um ano.

“O programa é destinado a ajudar os participantes a deixarem de fumar, fornecendo-lhes todas as informações e estratégias necessárias para direcionar seus próprios esforços neste sentido”, explica Gabriela Martins Ciryllo, enfermeira responsável pelo serviço. A equipe é formada por assistente social, psicóloga, enfermeira e médico, que são capacitados pelo CRATOD (Centro de Referência em Álcool, Tabaco e outras Drogas) e INCA.
Atualmente são feitos dois grupos por semana com aproximadamente 15 participantes cada. O maioria dos usuários são mulheres com idade entre 41 e 60 anos (67%). Gabriela ressalta que muitos participantes procuram o programa durante o tratamento de algum tipo de câncer. “De pele, de cabeça e pescoço, de mama. Muitos pacientes também já haviam enfartado, tido derrame cerebral, alguns com início de enfisema pulmonar e problemas vasculares em membros inferiores”, lista.

DESEJO DE PARAR
As sessões em grupo são dinâmicas e intensivas, cada uma organizada com objetivos específicos envolvendo técnicas de respiração, estímulo a trocas de experiências, discussões sobre a construção de uma nova identidade. “Queremos contribuir para a transformação das pessoas. É necessário que tenha o desejo de cessar o uso”, diz Gabriela.

O tratamento dura cinco meses e os medicamentos são disponibilizados gratuitamente pelo Ministério da Saúde, em parceria com a Prefeitura. São receitados o cloridrato de bupropiona, adesivo de nicotina e goma de mascar. As reuniões acontecem no Ambulatório Regional de Saúde Mental de Araçatuba, que fica na Rua Bahia, 472, no Jardim Sumaré. O telefone para contato é o 3624-5565.

Fernando Verga – Araçatuba

você pode gostar também