Em Brasília, Dnit dá aval para traçado do contorno ferroviário de Andradina

A prefeita de Andradina, Tamiko Inoue, se reuniu na tarde desta segunda-feira (29), em Brasília, no Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte) ligado ao Ministério dos Transportes, com o coordenador geral de Obras de Ferroviárias, o engenheiro Marcelo Almeida Pinheiro, onde conseguiu o aval em relação traçado oficial do contorno ferroviário do município. Além de representantes de Andradina e do Denit, participaram do encontro o coordenador de relações governamentais da ALL, Emanoel Tavares Costa Júnior e a gerente de engenharia da Urbaniza, Luciana Ferraro Adjemian.

Tamiko esteve acompanhada do assessor de assuntos estratégicos e ex-prefeito, Jamil Ono, do secretário de Obras e Infraestrutura, Ernaldo Calvoso, do secretário de Turismo, Juliano Silva e da coordenadora de Políticas para Idosos, Mirtes Kobayashi. Conta a favor de Tamiko a experiência administrativa de Jamil na hora das discussões para a retirada dos trilhos do centro da cidade.

A prefeita explica que a reunião foi muito positiva e que o Dnit ressaltou essa importante integração entre os órgãos envolvidos, sendo a Rumo, dona da concessão da Malha Oeste, que liga Mairinque (SP) a Corumbá (MS), onde Andradina está inserida, e a Urbaniza, empresa responsável pelo Projeto Executivo.

“O Dnit apontou que estamos no caminho certo para fazer a doação do projeto executivo à entidade, para assim assinarmos um convênio, onde Andradina estará entre as prioridades de investimento na renovação da concessão da Malha Oeste”, explica Tamiko ressaltando que Andradina também se comprometerá a realizar as revisões necessárias até a realização da obra.

A principal vertente para a realização do projeto está no Corredor Bioceânico, que faz a ligação entre os oceanos Pacífico e o Atlântico. A Malha Oeste passa por cidades como Sorocaba, Bauru, Andradina, Três Lagoas, Campo Grande e depois segue até a Bolívia.
O secretário de obras, Ernaldo Calvoso, comenta que os estudos apresentaram cinco alternativas de contorno, e o mais viável é o que estava previsto no EVTEA (Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental), com pequenas adaptações.

Ernaldo explica que o Dnit concordou com os estudos elaborados e se dispôs a acompanhar a concepção do projeto de hoje em diante. “O projeto vai ser desenvolvido junto com a equipe técnica do Dnit, passo a passo. Não existem mais dúvidas quanto ao traçado, ou a necessidades de obras de artes (viadutos e pontes). Isto significa um passo importante para sua conclusão”.

Da Redação – Andradina

 

você pode gostar também